Intervenção no curso das águas traz benefício ou prejuízo? | Blog Unigran Net

De acordo com a revista Nature, somente um terço dos rios do planeta correm sem a influência das degradações ou da intervenção no curso das águas pela construção de barragens e represas. Isto, é mantém seu caminho livremente.

Além disso, os rios que estão preservados em seu estado natural estão localizados em locais de difícil acesso, como na Amazônia e no Ártico. O impacto das ações humanas tem afetado de maneira muito significativa. Isso no aspecto ambiental e social a nível mundial.

Ainda de acordo com a pesquisa, dos 246 rios com extensão maior que mil km analisados, apenas 90 fluem livremente.

A busca pelo desenvolvimento econômico e por meios de geração de energia sem a devida atenção aos impactos pode ser fatal para nossos recursos naturais. Além, é claro, de afetar diretamente a fauna, flora e população regional.

Confira a seguir os principais benefícios e prejuízos da ação humana no curso das águas. Também confira as alternativas essenciais para diminuir os impactos.

Os impactos da intervenção no curso das águas

Ao balancear os benefícios e os prejuízos, é possível ver a necessidade e a importância da busca por soluções melhores e mais sustentáveis para esse recurso. 

Aspectos positivos

A construção de barragens e represas pode apresentar diversos objetivos. Tanto a construção de usinas hidrelétricas, captação de água potável e irrigação como a geração de biomassa e recreação.

Usina Hidrelétrica de Itaipu. (Fonte: Abril Veja)

Até mesmo para fins de turismo e desenvolvimento econômico de algumas regiões, a intervenção no curso das águas pode ser uma vantagem.

Como destaque entre os aspectos positivos, temos a produção de uma energia mais limpa, obtida através das hidrelétricas. Além disso, também pode ajudar a evitar acidentes e desastres, protegendo regiões contra cheias e enchentes.

Criar uma reserva para abastecimento durante períodos de seca e facilitar a produção agrícola irrigada também é um destaque positivo na construção de barragens e represas. No entanto, ao avaliar os impactos ambientais e sociais, todas essas vantagens perdem fácil sua atratividade.

Impactos ambientais

No Brasil, temos vários exemplos de alteração no curso das águas. Como a usina Itaipu no rio Paraná, e a famosa usina Belo Monte, no rio Xingu, no Pará.

A criação do Itaipu, por exemplo, fez com que o conjunto de cachoeiras Sete Quedas simplesmente desaparecesse. Este era o maior do mundo em relação ao volume de águas.

As alterações na fauna e flora também são destaque nos prejuízos dessa intervenção. Os peixes nativos podem desaparecer, os animais selvagens migram para regiões urbanas e a perda da biodiversidade vegetal e animal afeta diretamente todo o ciclo ecológico da região.

Além de mudanças no clima, há a propagação de doenças provenientes de todo esse desequilíbrio, afetando a população local. Tudo isso, sem contar questões como desmatamento e inundação de grandes áreas para a construção das estruturas. 

Impactos sociais

Além da natureza, os impactos sociais pela intervenção no curso das águas afetam milhares de vidas. Isto levou ao surgimento do MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens.

Barragem de Congonhas, MG. (Fonte: Fala GM)

As primeiras hidrelétricas no Brasil surgiram no período militar, época em que a população não reivindicava seus direitos ou expunha suas necessidades. Ou seja, todo o processo de construção resultou na emigração dos moradores sem auxílio ou indenização. Posteriormente, contribuindo também para o crescimento de favelas e zonas marginalizadas nas grandes cidades.

A perda das terras cultivadas e férteis, da pesca para sobrevivência e da moradia levantou uma bandeira importante e crítica sobre a construção das hidrelétricas.

De acordo com pesquisas, nos últimos 40 anos cerca de 1 milhão de pessoas foram afetadas pela intervenção no curso das águas por meio de barragens. Com o aumento da construção, milhares de pessoas ainda estão sendo obrigadas a deixar seus lares todos os anos.

A luta por soluções sustentáveis

Pode parecer difícil encontrar um equilíbrio entre o uso positivo das barragens e os seus impactos. No entanto, a maioria dos prejuízos são causados pela falta de estudos e aplicação de técnicas sustentáveis que reduzam esses danos.

Sendo assim, estudos recentes tem buscado alternativas e soluções para a melhor aplicação dos recursos e uso das águas. Vários cientistas tem dedicado suas pesquisas a esse tema, e alguns afirmam já existir alternativas para a redução de vários impactos.

De acordo com o pesquisador Jamie Skinner, o maior problema está na falta da obrigatoriedade das empresas a aplicarem essas soluções. Além disso, outros estudos tem surgido em busca de preservar animais, vegetação e sanar os problemas sociais das construções. 

Por isso, é extremamente importante voltar o olhar para todas essas questões e continuar em busca não só de descobrir, mas de colocar as soluções em prática.

O que nos mostra a importância e valorização de profissionais especializados e dedicados ao ambiente e a sociedade.

Enfim, quer saber mais sobre como os Engenheiros Ambientais podem contribuir na redução de danos e no desenvolvimento sustentável? Então, conheça agora mesmo o nosso curso de Engenharia Ambiental e Sanitária!


Postagens Relacionadas